No HEAL: Segurança do Paciente em pauta

11 de JANEIRO de 2018

Por Olenka Lasevitch

O Núcleo de Segurança do Paciente (NSP) do Hospital Estadual Azevedo Lima, unidade gerida pelo ISG em Niterói, passou a ser composto por nove colaboradores, entre enfermeiros, médicos, farmacêuticos, fisioterapeutas e biomédicos de setores como Unidade de Internação, SESMT, Gerenciamento de Resíduos, CCIH e Qualidade. O objetivo do Núcleo, que se reúne semanalmente, é discutir e apoiar iniciativas com foco na segurança do paciente, baseadas em metas internacionais estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), como identificação correta do paciente; comunicação efetiva; maior segurança dos medicamentos de alta-vigilância; redução do risco de infecções associadas aos cuidados; redução no risco de lesões decorrente de quedas e procedimentos corretos em casos de cirurgias.


Uma das principais atividades do NSP é o recebimento, classificação e encaminhamento das notificações referentes a fatos que possam comprometer a segurança do paciente, os chamados eventos adversos, que são um dos maiores desafios para o aprimoramento da qualidade na área da saúde. Por eventos adversos entende-se fatos que na maioria das vezes podem ser prevenidos, evitando danos aos pacientes, como  uso equivocado de medicamentos, falha em equipamentos, falha na comunicação entre equipes e quedas, entre outros. A notificação dos eventos adversos pode ser feita por qualquer colaborador do hospital. A novidade, é que a partir de agora ela pode ser feita eletronicamente. Um ícone intitulado “Epimed Monitor de Segurança do Paciente” já está disponível na área de trabalho de todos os computadores do Azevedo Lima. Ainda esta semana será oferecida uma capacitação para uso da ferramenta. Todos os colaboradores poderão participar.


Para a Enfermeira Márcia Peixoto, do Gerenciamento de Resíduos, componente do NSP, “a notificação do erro de uma pessoa pode evitar que outras cometam o mesmo equívoco, pois errar é humano. O que buscamos com as notificações são ações educativas e não punitivas. Por isso ninguém deve ter medo de notificar”.


“Notificar incidentes é um compromisso com o paciente, com os profissionais de saúde e com a instituição. É uma atitude importante para que falhas possam ser identificadas e corrigidas”, finaliza a Coordenadora de Qualidade, Deborah Ferreira, que também faz parte do NSP.




ÚLTIMAS NOTÍCIAS