ISG Saúde - Instituto Sócrates Guanaes | isgsaude.org 

Quando tudo passar, seremos mais cuidadosos uns com os outros

07 de MAIO de 2020

Por Olenka Lasevitch

Para evitar a contaminação pelo Novo Coronavírus é fundamental não haver relaxamento dos cuidados em nenhum momento, tanto durante o plantão hospitalar, quanto na convivência em comunidade, conforme nos conta na entrevista abaixo a enfermeira controladora de infecção hospitalar, Fernanda Reis Sales, consultora técnica do ISG na área de projetos, de controle de infecção hospitalar e de enfermagem. 

De que forma a adequada higienização das mãos e a correta paramentação e desparamentação de EPIs pelos profissionais de saúde pode efetivamente contribuir para a proteção destes profissionais e dos pacientes, em geral?

A higiene das mãos é considerada a principal ação para o controle da transmissão de infecções. Se fizermos a higienização das mãos na frequência correta e com a técnica correta, já diminuiremos grandemente a transmissão de infecções de forma geral, tanto as comunitárias quanto as hospitalares. Portanto, higienizar as mãos com água e sabão ou com álcool gel é a medida mais importante para prevenir infecções. 

A correta paramentação dos profissionais com os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) contribui para que estes não se contaminem, pois dessa forma eles não terão contato direto com o agente infeccioso, que no caso, hoje, falamos do coronavírus. Da mesma forma, no momento da desparamentação o profissional tem que seguir a técnica correta para evitar contato com o agente infeccioso. A técnica, portanto, tem que ser feita de forma correta nos dois momentos. Logicamente que se o profissional está protegido, os pacientes também estarão. Um profissional contaminado pode ser um vetor de transmissão.

Por que, mesmo havendo disponibilidade de EPIs, temos visto tantos profissionais de saúde contaminados pelo novo coronavírus? 

Em relação à contaminação dos profissionais por coronavírus, algumas situações devem ser pontuadas: 
• Existem locais que infelizmente não dispõem de EPIs em quantidade e qualidade adequadas para proteção dos profissionais e eles acabam expostos.
• Em algumas situações os profissionais têm os equipamentos, mas não sabem manipulá-los corretamente e isso pode levar à contaminação.
• Existem, ainda, os profissionais que têm os equipamentos, sabem paramentar e desparamentar corretamente, mas em momentos de descanso ou mesmo na vida comunitária, diminuem os cuidados, relaxam as medidas de proteção e acabam sendo contaminados e contaminando outros profissionais. Ou seja, se paramentam nas unidades, mas no descanso não mantêm os cuidados necessários, por exemplo.

O que a crise causada pelo novo coronavírus pode nos ensinar daqui para frente? 

Acho que essa crise vem trazer uma luz acerca dos processos de controle de infecção. Os profissionais terão um cuidado e uma percepção maiores sobre a importância das regras e dos procedimentos que são tão simples e antigos, como a higiene das mãos e o uso de EPIs. Vai trazer também uma consciência maior para a população sobre a importância dos cuidados que devem existir em comunidade. Por exemplo, não tossir ou espirrar nas mãos, mas sim na curvatura dos braços para não infectar os outros. As pessoas vão entender que quando estiverem com qualquer tipo de infecção deverão utilizar máscaras e ter mais cuidado com o outro, como outros povos já fazem. Acho que o cuidado com o outro é o grande ensinamento que poderemos ganhar com esse processo.

Fernanda Reis Sales




ÚLTIMAS NOTÍCIAS