Psoríase : HDT alerta sobre a doença que atinge 2% da população brasileira.

26 de OUTUBRO de 2018

No calendário da saúde, 29 de outubro (segunda-feira) é marcado como o Dia Mundial da Psoríase, doença que, no Brasil, atinge 2% da população, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Referência em doenças infectocontagiosas e dermatológicas, o Hospital Estadual de Doenças Tropicais dr. Anuar Auad (HDT), da SES – Governo de Goiás, gerido pelo Instituto Sócrates Guanaes (ISG), realiza o tratamento da Psoríase,  uma doença de pele que é crônica, inflamatória, não contagiosa.

Em geral, a patologia causa manchas vermelhas, escamas secas, pele ressecada e rachada, coceira, queimação e dor. Em casos mais graves, pode afetar as articulações, provocando rigidez, dor e dificuldade em movimentar.  Essas manifestações na pele costumam afetar a qualidade de vida dos pacientes, devido ao preconceito, causando constrangimento e até impactando no psicológico dos pacientes.

Para combater a falta de informações sobre a doença, que geram preconceito da população em relação aos portadores de psoríase, todos os anos a SBD realiza a Campanha Nacional de Conscientização da Psoríase. No HDT, todas as quintas-feiras pela manhã há o atendimento ambulatorial de psoríase. Segundo a coordenadora do setor, a dermatologista Mirian Castilho, a demanda é grande, sendo que alguns casos graves necessitam até de internação. A dermatologista explica que a doença não tem cura, mas possui vários tratamentos, que podem aliviar os sintomas.

 “O tratamento depende do grau da doença do paciente. Podemos usar sessões de exposição a luz ultravioleta - nos casos moderados; anti-inflamatórios;  corticoides, além de  cremes, loções, xampus e outros. A hidratação é eficiente nos casos mais leves da doença e o sol é outro aliado importante para amenizar os sintomas e melhorar o quadro clínico”, afirma a médica.

O senhor Fernando de Oliveira, de 49 anos, morador de Trindade, sofre com a doença há nove anos. “Um dia fui dormir bem e acordei com as costas toda manchada. Fui ao posto de saúde e acharam que era alergia. Depois consultei uma dermatologista e fiquei sabendo que era psoríase”. Fernando disse que sofreu muito com a doença. “Tomava muito corticoide, as unhas caíram, a perna e as mãos doíam demais”, conta o paciente. Há seis meses, Fernando realiza tratamento no HDT e desde então tem a doença controlada. “Foi uma benção vir fazer o tratamento aqui. Agora estou bem melhor”, avaliou.

Apesar das causas da psoríase ainda não terem sido esclarecidas, sabe-se que ela está relacionada a fatores genéticos e emocionais. “As lesões costumam aparecer após episódios emocionalmente traumáticos. Pessoas obesas, estressadas, alcoólatras, fumantes, diabéticos ou mesmo hipertensos, podem ter mais chances de desenvolver a doença”, alerta a médica. Mirian Castilho acrescenta ainda que, com o controle da doença, o paciente pode ter uma vida completamente normal. 

Dra. Mírian Castilho é a coordenadora do ambulatório de Psoríase do HDT.




ÚLTIMAS NOTÍCIAS